terça-feira, 22 de Julho de 2014

Abóbora-Manteiga no Forno com Especiarias

Há muitas coisas que fazem do Verão a minha estação favorita. Uma delas são os fins de tarde.
Fins de tarde de Verão são do melhor que há. 
Ainda está calor, mas o Sol já não queima. 
Por vezes sentimos uma brisa mas ainda ficamos confortáveis com um vestido fresco e de sandálias nos pés.
O Sol esconde-se tarde, pintando o céu de cores quentes enquanto desaparece. Não há pôr-do-sol como o de Verão!

Aproveito estes fins de tarde quentes para fazer uma das coisas que mais gosto: petiscar!
Seja para partilhar com amigos, com a família ou para nos deliciarmos sozinhos, nada como ter uma mesa recheada de coisas boas enquanto aproveitamos os últimos raios de luz do dia.

Ao Domingo, durante esta estação, os jantares cá em casa são assim, simples e despreocupados, com as coisas que mais gostamos. Basta um garfo, pão torrado, uma cerveja fresquinha e pratinhos cheios de coisas boas para uma refeição de Verão perfeita.

Tenho vários favoritos para os petiscos de Domingo à noite, como os cogumelos à Bulhão Pato, tomates assados no forno, beringelas grelhadas ou um simples guacamole. Estas fatias de abóbora com especiarias já entraram também para a lista.

Sei que mais parece um pestisco outonal, mas esta receita é tão boa que não dá para não partilhar. A abóbora doce e cremosa fica perfeita quando assada com esta mistura de especiarias, que lhe dão um toque ligeiramente picante mas completamente viciante. 
Rouba-se uma fatia do prato, mais outra e mais outra e quase sem darmos por isso estas fatias deliciosas desaparecem num instante.

Impossível não gostar de petiscos assim! :)



(adaptado do livro "O Novo Vegetariano", de Yotam Ottolenghi)
Ingredientes

1/2 abóbora manteiga de tamanho médio
1 colher de sopa de sal marinho
1 colher de sopa de alecrim seco
1/2 colher de sobremesa de alho em pó
1/3 colher de sobremesa de malagueta em flocos
1 pitada de noz moscada
Azeite q.b.


Como preparar

Lavar bem a abóbora e, caso se use a metade com sementes, retirá-las com a ajuda de uma colher.
Cortar a abóbora em fatias, nem muito finas nem muito grossas, no sentido do comprimento.
Forrar o tabuleiro do forno com papel vegetal e dispor as fatias.
Num almofariz colocar o sal, o alecrim, o alho, a malagueta e a noz moscada. Triturar tudo e juntar azeite até formar uma pasta.
Com um pincel, espalhar um pouco da pasta de especiarias pelas fatias da abóbora (apenas de um dos lados)
Levar ao forno a 180ºC, cerca de 20-30 minutos, ou até que a abóbora fique molinha.





sábado, 19 de Julho de 2014

Quadradinhos de Cacau com Cobertura de Chocolate e Laranja

De todos os lugares no mundo que quero conhecer, sempre houve um país onde nunca tive grandes desejos de me aventurar: os EUA.
Muita gente que conheço tem Nova Iorque como a sua viagem de sonho e eu não me sinto minimamente atraída por essa cidade. Sonho mil de vezes mais ir aos países escandinavos ver uma aurora boreal ou mudar de hemisfério para subir a Macchu Picchu. 

A minha indiferença ao norte do continente americano teria continuado não fosse eu tornar-me vegetariana e perceber o grande mercado vegan que esse país alberga. Nova Iorque continuaria a não estar nos meus planos de futuras viagens não fosse eu ter comprado o livro Vegan Chocolate e "conhecido" a Fran Costigan.

Fran Costigan é chef pasteleira, vegan há cerca de 25 anos, desenvolve receitas e é instrutora culinária. "Apaixonei-me" por ela assim que comecei a ler o seu livro de receitas como se de um romance se tratasse. Fran é apologista do uso dos ingredientes biológicos, o menos processados possível, pelo que nas suas receitas não encontramos açúcares ou farinhas refinadas nem margarinas.
Faz muitos workshops, palestras e é professora no Natural Gourmet Institute, em Nova Iorque, uma escola onde existem várias aulas sobre alimentação saudável, vegetariana e vegan e onde Fran dá um mini-curso intensivo de pastelaria vegan.
Foi assim que ir aos EUA e a Nova Iorque também entrou para a minha lista de coisas a fazer no futuro. Agora na minha lista de sonhos a realizar há mais um item: fazer um curso com a Fran Costigan!
E um dia, quem sabe, torno-me uma pasteleira vegan também :)

Enquanto isso não acontece vou mergulhando neste seu livro maravilhoso e divertindo-me a experimentar as suas receitas.
E estes quadradinhos de chocolate, sem açúcares refinados, sem óleo ou margarina, são deliciosos e não deixam ninguém indiferente. Nem aqueles cujo cacau não lhes tira o sono, como eu!


Com cacau, com açúcares naturais, com leite de coco no lugar das manteigas e margarinas e com farinhas menos processadas, pensei logo neles como a receita ideal para o Desafio Receitas Saudáveis do [Limited Edition]. Porque receitas de bolinhos para comer sem culpas nunca são demais! :)


(adaptado do livro "Vegan Chocolate")
Ingredientes

Para o bolo


  • 64g de farinha de trigo sarraceno (ou de espelta)
  • 60g de farinha de trigo integral
  • 9g de farinha maizena
  • 30g de cacau em pó
  • 1 colher de sobremesa de fermento em pó
  • 1 colher de sobremesa de bicarbonato de sódio
  • 1/4 colher de sobremesa de canela em pó
  • 1 pitada de sal
  • 125 mL de leite de côco normal (não deve ser usado o light)
  • 125 mL de leite vegetal 
  • 125 mL de geleia de arroz
  • 60 mL de xarope de agave, maple syrup ou mais geleia de arroz
  • 1 colher de sobremesa de vinagre de sidra

Para a cobertura
  • 90g de chocolate preto sem açúcar
  • 60 mL de sumo de laranja natural
  • Raspa de 1/2 laranja pequena (opcional, se não quiserem um sabor muito forte ao fruto podem não colocar)
  • 1 colher de sopa de xarope de agave


Como preparar

O bolo
  • Numa tigela juntar todos os elementos secos e misturar.
  • Noutra tigela juntar o leite de coco, o leite vegetal, a geleia de arroz, o xarope de agave e o vinagre. Misturar bem até a geleia ficar completamente dissolvida.
  • Juntar a mistura líquida aos ingredientes secos e mexer até a massa ficar homogénea.
  • Forrar uma forma quadrada de cerca de 24cm de largura com papel vegetal e verter a massa na forma.
  • Levar ao forno a 180ºC entre 25 a 30 min.
  • Retirar do forno e deixar repousar.

A cobertura
  • Partir o chocolate em pedaços pequeninos e colocar num tacho pequeno juntamente com o sumo de laranja, a raspa e o xarope de agave.
  • Levar a lume baixo e quando o chocolate começar a derreter retirar do lume e mexer até ficar um creme de chocolate homogéneo e suave.
  • Colocar numa taça e deixar arrefecer à temperatura ambiente.

Cortar o bolo, já arrefecido, em quadrados e cobrir com o creme de chocolate e laranja.


domingo, 13 de Julho de 2014

Caril de Abóbora-Manteiga e Lentilhas

Sempre gostei de sabores agridoces na comida, não sinto que seja estranho usar frutas nos pratos principais e sabe-me bem o contraste do doce com o salgado.
Já o rapaz cá de casa não era da mesma opinião. Quando calhava falarmos de alguma mistura doce-salgada, por exemplo um simples ananás numa pizza, ele dizia que não gostava e que isso era o mesmo que comer "sardinhas com gelatina" (o que não é uma expressão muito vegan, eu sei, mas percebem onde quero chegar certo?)

Como quem manda na cozinha sou eu, decidi acabar com essa mania das esquisitices e a pouco e pouco fui acrescentando uma nota mais doce aqui e uma fruta ali para ver a reacção. E como quem não cozinha não tem direito a refilar, não me assustei com caretas e com coisinhas à borda do prato e continuei a insistir (e a mandar uns olhares fulminantes de "cala-te e come") :P. 
Já dizia Fernando Pessoa "primeiro estranha-se, depois entranha-se" e assim foi. 

Actualmente os sabores agridoces já não são recebidos com ar de dúvida e uma das maiores provas é o facto deste molho de tomate e coco da Márcia ser um dos preferidos cá de casa e muito requisitado pelo marido. Dele surgiu a inspiração para este caril, que não é forte nas especiarias mas que tem o picante versus doce que tanto nos agrada nesse molho.

Este tornou-se o meu caril favorito e sempre que me apetece um é neste que penso, é absolutamente maravilhoso e conquistou-nos aos dois. O picante da malagueta, o ácido do tomate, o doce do coco e a frescura dos coentros são uma festa de sabor na nossa boca. A abóbora manteiga, o meu tipo de abóbora preferido e as lentilhas, complementam este prato na perfeição.
Sirvam com um arroz aromático, como o basmati ou o thai jasmim, e desfrutem de uma refeição perfumada e absolutamente deliciosa!


Ingredientes (para 3 - 4 pessoas)
3 dentes de alho médios, picados
Gengibre fresco ralado, aprox. a mesma quantidade do alho.
1 malagueta pequena sem sementes, picada (ou com sementes se gostarem do sabor mais forte)
1 cebola média, picada
1 folha de louro
1 colher de sobremesa de azeite ou 3 cubos de caldo de legumes caseiro
3 tomates maduros bem grandes, sumarentos, aos pedaços
1 cenoura pequena, aos cubos
300-350g de abóbora-manteiga descascada, cortada em cubos pequenos
1/2 colher de sobremesa de caril em pó
1/2 chávena (125mL) de água ou caldo de legumes caseiro
1/4 chávena (60mL) de leite de côco
2 chávenas de lentilhas verdes, cozidas*
Sal q.b.
Coentros picados a gosto


Como preparar:
Num tacho colocar o azeite, o louro, alho, gengibre e malagueta e deixar refogar 1-2 minutos em lume baixo. 
Acrescentar a cebola e uma pitada de sal e deixar amolecer.
Juntar o tomate e refogar até que esteja mole e a criar molho.
Colocar a cenoura, a abóbora e o caril e envolver no tomate.
Juntar a água, mais uma pitada de sal e deixar cozer em lume baixo, com a panela tapada, entre 5 a 10 minutos.
Quando a abóbora estiver amolecida juntar o leite de côco e as lentilhas e deixar cozinhar mais 5 minutos.
Polvilhar com coentros frescos e servir.

*Para ter lentilhas cozidas saborosas basta colocá-las num tacho com água, louro e dentes de alho esmagados ainda com casca. Deixar cozer e apenas no final da cozedura acrescentar o sal, para que não fiquem duras.



sexta-feira, 4 de Julho de 2014

Na Cozinha da Vizinha {Junho}

Hoje a Cozinha da Vizinha que vos trago é um pouco diferente.

Junho não foi um mês fácil. 
Junho foi um mês de muitas horas extra de trabalho, sem grandes pausas para respirar fundo. Quem trabalha em com poucas pessoas sabe o quanto é complicado esta altura das férias. De repente temos menos uma ajuda e trabalho a dobrar e as horas livres não são suficientes para o que resta da nossa vida (incluindo dormir!).

Assim se passaram duas semanas e vieram as férias. Como eu estava sedenta de férias! Queria organizar-me, organizar a casa, cozinhar muito, ler muito, experimentar novas receitas, passear, etc, etc. Esqueci-me de contar com o cansaço acumulado de 1 ano sem férias e das duas últimas semanas extenuantes. 

As férias passaram e não fiz metade do que gostaria de ter feito. A cozinha ficou para 2º plano, com muitas refeições rápidas e repetidas e poucas experiências. O blog ficou em banho-maria, apesar das muitas ideias que tenho para aplicar. 
Mas passei tempo de qualidade com a família e amigos, descansei junto aos meus gatinhos, deitei-me muitas vezes no sofá sem fazer nada. 
Temos de guardar tempo para nos desligarmos um pouco da nossa vida virtual e aproveitar a vida real. Sentir o Sol lá fora, estar com as pessoas de carne e osso e às vezes parar de todo e fazer absolutamente nada!! Foi o que fiz nestas férias e soube-me muito bem! :)


Posto isto, apesar de ter entrado em muitas cozinhas vizinhas, foram poucas as vezes que lá fui "roubar" receitas, pelo que o post de hoje terá maioritariamente receitas que me chamaram a atenção e que vos sugiro.

Mas ainda consegui fazer uma receita, que na verdade são duas e aqui está ela. ;)


Gelado de Banana, Manteiga de Amendoim e Canela, do blog Limited Edition, com topping de Molho de Caramelo, do blog The Love Food


Já tinha falado deste gelado aqui, quando referi que um dos meus lanches recorrentes era banana esmagada com manteiga de amendoim, canela e bolacha. Mas ainda não tinha juntado estes ingredientes para fazer este gelado vegan e aproveitei a vinda de uma amiga cá a casa para nos lambuzarmos com isto. E como achámos que a coisa estava saudável de mais ainda regámos o gelado com o molho de caramelo dos deuses (que adoro e já usei nesta receita).
OH-MY-GOD! 
Melhor-Gelado-do-Mundo! Mesmo. Meeeeeeeeeesmo!!! 
Já me está a apetecer um só de escrever! Portanto o meu conselho é irem já cortar umas bananas e porem no congelador, preparem o caramelo e façam este gelado que, desculpem-me a expressão, é do caraças!!!!



Aqui ficam algumas sugestões de receitas apetitosas das cozinhas vizinhas:

* Molho de Queijo (sem queijo!), do blog A Cozinha Verde

* Mousse de Chia, Morango e Lemongrass, do blog Ananás e Hortelã.

* Pãezinhos de Quinoa e Abacate, do blog Tales of a Kitchen

* Seitan ao molho teryaki e abacaxi grelhado, do blog Veggie Comida Deliciosa

sábado, 28 de Junho de 2014

Refeições Rápidas #10 - Tofu Mexido com Farinheira de Soja e Espargos

Em tempo de férias a palavra de ordem é relaxar!
É bom ter tempo para descansar, ver aquele filme que há tanto desejamos, ler aquele livro que está na estante à espera de ser estreado, estar com as pessoas que gostamos, passear e desfrutar do Verão, sem pressas e sem relógio.

Por vezes também temos vontade de tirar umas férias da cozinha, mesmo quem gosta de cozinhar, como eu! Uma refeição em 10 minutos é tudo o que precisamos para confortar o estômago e prosseguir com o dolce fare niente. ;)

Tofu mexido é um dos pratos rápidos que mais faço. Junto um pão de cereais e uma salada e para mim já não é preciso mais nada! Mas desta vez aproveitei para utilizar uns restinhos do frigorífico e fazer uma versão vegan dos "ovos com farinheira". 
10 minutos no fogão e está feito um almoço de férias delicioso!


Ingredientes
300g de tofu mexido
2 dentes de alho, picados
1 colher de sobremesa de azeite
1/2 farinheira vegetal, picada
150g de cogumelos frescos, aos pedaços
1 molho de espargos
Sal, azeite e vinagre balsâmco q.b.


Como preparar
Lavar bem os espargos e cortar as pontas mais grossas dos pés.
Colocar num grelhador em lume médio, 5 minutos de cada lado ou até ficarem tostados. 
Entretanto numa frigideira colocar o alho e o azeite, em lume baixo. 
Quando o alho começar a libertar o aroma adicionar a farinheira, envolver bem e acrescentar os cogumelos.
Deixar os cogumelos amolecer e acrescentar sal se necessário. Reservar numa tigela.
Na mesma frigideira preparar o tofu mexido de acordo com esta receita
Juntar os cogumelos com farinheira e envolver.
Temperar os espargos grelhados com sal, azeite e vinagre balsâmico.
Servir tudo com uma salada ou arroz.


_________________________________________________________________________________________

Tempo de preparação: 10 - 15 minutos

Ter pronto a usar: Tempero para o tofu mexido

Atalhos: Usar a mesma frigideira para preparar os cogumelos e o tofu; partir os cogumelos em pedaços com a mão, não é preciso usar faca.

Dica: desfazer o tofu logo no início e colocar o tempero, para absorver durante uns minutos enquanto se prepara o resto.
_____________________________________________________________________________________ 


terça-feira, 24 de Junho de 2014

Brownies de Alfarroba e Figo

Se querem saber em que altura do Verão vai chover perguntem-me em que dias estou de férias.
É matemático, eu entro de férias e chega a tempestade. Por isso, fiz o que sabe melhor em dias de vento e chuva: liguei o forno e cozi um bolo!

A alfarroba e o figo são dois ingredientes me transportam para o Sul do nosso país. Fazem-me lembrar as férias no Alentejo, em casa dos meus primos, onde colhíamos os figos das árvores recheadas, esticando-nos o máximo que conseguíamos, até ficarmos cheios de seiva a escorrer pelos braços! (Uma das primeiras coisas que a minha avó me disse quando conheceu o Filipe, ao ver o seu 1,80m, foi que ele era bom para ir apanhar figos ihih). 
Fazem-me lembrar as férias no Algarve, com as sobremesas deliciosas de alfarroba e uma visita à fortaleza de Sagres, de onde trouxe uma saco cheio de vagens de alfarroba por 0,50€.

Não poderia assim haver melhor combinação para combater este início de Verão atribulado. Uns brownies diferentes, sem chocolate, mas tão ou mais gulosos e viciantes quanto os de cacau. Com uma consistência compacta mas agradável, quase como se fosse uma mousse solidifcada, o sabor único da alfarroba e a doçura dos figos, estes brownies são mesmo uma perdição 

Juntem-lhe uma caneca de leite vegetal fresquinho, fechem os olhos, esqueçam o temporal que está lá fora e deixem-se levar pelos sabores deste brownie até às maravilhosas paisagens do nosso quente e solarengo Sul. :)

Se quiserem saber um pouco mais sobre a alfarroba cliquem aqui.



Ingredientes
1 chávena de farinha de alfarroba
1 chávena de farinha integral
1/2 chávena de farinha de trigo sarraceno (ou de outro tipo de farinha, como a espelta ou de trigo normal)
1 chávena de açúcar amarelo
1 colher de sobremesa mal cheia de fermento
1 colher de sobremesa bem cheia de canela em pó
1/2 colher de sobremesa de gengibre em pó
1/2 chávena de leite de coco
2 chávenas de leite vegetal (usei de arroz e soja)
5 figos frescos médios, às rodelas

Chávena com 250 mL de capacidade.


Como preparar
Juntar numa tigela as farinhas com o açúcar, o fermento, a canela e o gengibre. Envolver bem.
Adicionar à mistura seca o leite de coco e o leite vegetal e mexer até que todos os sólidos fiquem bem dissolvidos e sem grumos.
Forrar uma forma quadrada com papel vegetal e verter a massa do bolo. (A minha é de 24x24cm)
Levar ao forno a 180ºC durante cerca de 1h.
A meio da cozedura colocar as rodelas dos figos por cima da massa, juntas umas às outras para cobrir todo o bolo.



Nota

* É normal que, ao fazer o teste do palito no bolo, passado o tempo de cozedura este ainda saia ligeiramente húmido. Devido aos figos frescos, que perdem água para o interior do bolo, a massa fica mais mole e humedecida, o que contribui para a textura do brownie. No entanto se o palito sair com muita massa crua agarrada deve deixar-se cozer o bolo mais alguns minutos.

segunda-feira, 16 de Junho de 2014

Salada Fresca de Nabo, Maçã e Cenoura

Comida fresca e descomplicada é só o que apetece nestes dias bem quentes que temos sentido.

Aqui a vontade de estar em frente ao fogão é pouca, abundam as saladas, a fruta e bebidas frescas. É sempre assim nesta altura do ano que em sofremos com uma passagem repentina para o calor, o corpo não tem vontade de se mexer e até os meus gatinhos andam moles, deitados onde pelo chão de mosaico na tentativa de se refrescarem.

Por isso, hoje na hora de fazer o almoço, lembrei-me desta salada, que já fiz algumas vezes e que adoro. É uma adaptação de uma receita que aprendi num workshop a que fui aqui há uns tempos, dado pela Marta Horta Varatojo, onde ela nos fez umas bolinhas de nabo e maçã que, surpreendentemente, gostei imenso!

É uma salada simultaneamente doce e ácida, fresca devido à maçã e às ervas aromáticas e super fácil de fazer. Foi um excelente acompanhamento de uns hambúrgueres de feijão manteiga e parece-me que vai ser presença assídua na minha cozinha este Verão :) (apesar do Filipe não gostar, olha que chatice, mais fica para mim ihih)



Ingredientes (para 2 pessoas)
1 nabo pequeno
1 cenoura média
3 maçãs pequenas (usei 2 maçãs reinetas e 1 maçã verde)
Sumo de limão q.b.
Sumo de lima q.b.
Sal q.b.
Sementes de sésamo, salsa e hortelã picada, a gosto

Como preparar
Ralar o nabo e a cenoura, grosseiramente, e colocar numa taça.
Ralar as maçãs, adicionando sumo de limão a cada maçã para que não escureça demasiado.
Juntar a salsa e a hortelã picada, temperar com sal e sumo de lima, envolver, salpicar com as sementes de sésamo e servir.
(Se acharem muito ácido, podem juntar um pouco de açúcar para equilibrar)


domingo, 8 de Junho de 2014

Na Cozinha da Vizinha {Maio}

A Cozinha da Vizinha voltou!
Muito atrasada, eu sei, mas cheia de novas receitas testadas. :)


Granola de Millet e Amêndoas, do blog Nem Acredito que é Saudável


Quem acompanha o facebook ou o instagram do blog já viu esta imagem por lá. 
Fiquei absolutamente viciada nesta granola, é a melhor que já fiz em casa, sem dúvida! Apesar dos meus grãos de millet não terem ficado tão aglomerados como na granola da Sara, estavam estaladiços e deram-lhe uma textura fantástica que adorei! O sabor a canela é divino e as amêndoas ficam maravilhosas nesta mistura. 
Pequenas alterações: como não sou fã de passas nos cereais troquei-as por arandos vermelhos secos. A minha granola ficou tostadinha em 20 minutos, pelo que juntei as amêndoas e os arandos já depois de ter saído do forno, ficando delicioso na mesma!
Não consegui tirar foto só da granola, porque se comeu num instante, mas numa tacinha igual a estas, com iogurte, fruta é um pequeno-almoço dos céus! :)


Patê de Favas com Endro, do blog Cozinhar Sem Lactose


Adoro patês e adoro favas, logo, assim que vi esta receita, soube que tinha de a experimentar!
É uma grande seca descascar as favas cozidas, confesso, mas o resultado final faz valer muito a pena, é um patê delicioso! Muito cremoso, com uma combinação perfeita do sabor das favas com limão e as ervas. 
Como não encontrei endro, para ser fiél à receita, troquei por rama de funcho e dividi o creme em duas porções para também experimentar com coentros, como vi no blog Doce Fim de Semana. Gostei mais da versão dos coentros, talvez porque associe aos sabores das favas guisadas que tanto gosto e por isso esta versão do patê desapareceu num instante em tostinhas e em sandes.
A versão com funcho não se desperdiçou e roubando mais uma ideia à Gori, que usou o resto do patê num risotto, eu utilizei como se fosse um pesto para uma massa. Juntei ainda alho salteado em azeite com um restinho de chouriço de seitan que tinha no frigorífico, mais umas favas cozidas que sobraram do patê e tomate e ficou um almoço delicioso!
A repetir, de certeza!




Esta receita foi roubada a um vizinho :P Beterraba e batata doce são dos meus alimentos preferidos para assar, os seus sabores doces sobressaem e nesta receita, com o seu tempero salgado faz um contraste espectacular. Muita atenção porque é difícil parar de comê-las!! Ainda por cima são feitas no forno sem recorrer a um pingo de gordura, portanto esqueçam lá as batatas fritas e outras coisas menos saudáveis de pacote, isto é que é um aperitivo a sério e para comer sem culpas!!
As minhas chips ficaram um pouco moles, penso que se deva a não estarem tão fininhas quanto deveriam (a minha mandolina está estragada :| ) mas estavam igualmente deliciosas. Mais uma receita para o grupo das preferidas! ;)
Pequenas adaptações: fiz o tempero apenas com 2 colheres de sopa de sal, 1 colher de sopa de alecrim seco e a pimenta, moendo tudo no almofariz. Usei 2 batatas doces e mesmo assim sobrou-me imenso sal aromatizado, que guardei e já utilizei mais vezes nos meus legumes grelhados. 




Este blog é um dos meus favoritos, tem imensas receitas que quero experimentar, são simples e a maioria com poucos ingredientes e as fotos deixam-me a babar para cima do computador.
Apesar de não ser a maior apreciadora de bolos de banana ou cacau tinha muita vontade de fazer este por culpa da manteiga de amendoim. Fiz algumas alterações na receita consoante o que tinha disponível cá em casa: usei apenas 1 chávena de amêndoa picada (que eles chamam de "almond meal"), não pus o óleo porque me esqueci, usei leite vegetal já com açúcar e por isso não juntei o açúcar amarelo, utilizei farinha de trigo sarraceno para manter a versão gluten free e não adicionei as pepitas, tanto de chocolate como de manteiga de amendoim. 
Confesso que quando trinquei a primeira fatia fiquei um bocadinho desiludida. A manteiga de amendoim quase não se sentia e o sabor a banana era bastante intenso. Quem gosta muito do sabor deste fruto vai com certeza gostar deste pão. Sim, pão. A textura não é de bolo, fica firme e consistente, como se de um pão se tratasse. (Infelizmente esqueci-me de tirar uma foto do aspecto interior :| )
No dia seguinte experimentei ao pequeno almoço uma fatia barrada em manteiga de amendoim e outra em doce de morango. Tãaaaao bom!! Aí sim, as minhas papilas gustativas fizeram a festa na minha boca! :)


Molho de "Queijo", do blog Minimalist Baker.

Nem sempre as receitas que experimento correm bem, acontece a todos, esta é um exemplo. 
É do mesmo blog da receita anterior e estava mortinha para fazê-la porque era uma receita mais rápida de fazer do que as que já tinha visto de cremes de "queijo", onde normalmente são usados frutos secos demolhados durante algumas horas. Fui comprar o leite de amêndoa sem açúcar requerido na receita, assei a beringela, ajustei as quantidades de tempero ao meu gosto e no final.....blhec! Não gostei nada do resultado. Como é óbvio nunca iria saber a queijo, claro, mas meu molho ficou com um gosto muito enjoativo nem sei bem a quê. Acho que foram os cominhos que me mataram. Gosto muito do seu sabor mas com moderação e apesar de ter colocado menos quantidade que a referida na receita, estava demasiado forte.
Nem tirei foto, mas posso dizer-vos que não ficou um creme bonito como o da receita original...




E assim a minha lista de receitas a experimentar vai diminuindo... no fim deste mês trago mais! ;)

quinta-feira, 29 de Maio de 2014

Patê de Grão e Coentros

Poderia ser um hummus, mas sem um dos seus típicos ingredientes, o tahini (ou pasta de sésamo), vou chamar-lhe simplesmente de patê.
Este patê surgiu daqueles dias na cozinha, onde pensamos fazer uma receita e, por isto ou por aquilo, sai outra coisa completamente diferente. Neste caso de uma receita de hambúrgueres nasceu um delicioso creme de grão, coentros e alho, uma delícia para comer com tostinhas, numa sandes rápida ao almoço ou com uns palitos de cenoura crua.

É um patê carregadinho dos bons nutrientes do grão, como o ferro, o ácido fólico, as fibras, proteina e manganésio, entre outros e tem o toque especial que aprendi no workshop Green Kitchen Stories: açafrão-da-índia, também chamado de curcuma.

A curcuma é o típico açafrão em pó que encontramos na prateleira das especiarias do supermercado e nas misturas de condimentos para caril. Vem da raíz de uma planta com o mesmo nome e é utilizada na medicina tradicional indiana e chinesa devido, principalmente, ao seu poder anti-inflamatório, proveniente de um dos seus princípios activos, a curcumina. 
Alguns estudos indicam que a acção anti-inflamatória da curcumina em casos de doenças reumáticas inflamatórias pode ser comparável ao de uma cortisona, por exemplo, sem os seus efeitos secundários. Claro que para isso teríamos de comer açafrão-da-índia a potes, pois o seu conteúdo em curcumina não é assim tão alto e, como em tudo, o excesso tem os seus malefícios, por isso não se ponham a comer açafrão à colherada para tratar aquela dor na articulação quem vos anda a chatear há algum tempo, o vosso estômago agradece! :P 
Mas há uma dica para aumentar a absorção e potenciar a acção da curcumina no nosso corpo: juntá-la com piperina, um principio activo que encontramos na pimenta preta, por exemplo.

Apesar de este não ser uma receita de patê medicinal, já que vamos usar um ingrediente com propriedades tão fascinantes, porque não potenciá-las? É por isso que agora na minha cozinha o açafrão-da-índia e a pimenta andam inseparáveis, para onde vai um, o outro também lá está! :)

A minha veia farmacológica ficaria aqui muito mais tempo a falar-vos de processos inflamatórios e dros poderes dos ingredientes deste patê mas vamos deixar estas coisas chatas para outro dia. Quem quiser saber mais pode espreitar este artigo, este também e este site.


E agora sim, vamos à comidinha boa! 
São servidos?



Ingredientes
  • 2 chávenas de grão cozido
  • 1 colher de sopa de azeite
  • 2 dentes de alho grandes
  • 1 molhinho de coentros (a gosto)
  • Sumo de 1/2 limão
  • 1/2 colher de sobremesa de açafrão-da-índia
  • 1/3 colher de sobremesa de pimenta preta moída
  • Sal e água q.b.

Como preparar
  • Juntar todos os ingredientes, com excepção da água, no processador e picar até se formar um puré (que pode ficar mais ou menos cremoso de acordo com a cozedura do grão - o meu estava um bocadinho all dente por isso ficou mais granuloso). Se ficar muito espesso juntar água aos poucos até obter a consistência desejada.
  • Ajustar os temperos, juntando mais sal, pimenta ou alho em pó, se necessário e servir.

sexta-feira, 23 de Maio de 2014

Empadão de Lentilhas, Cogumelos e Espinafres com Puré de Batata Doce

É impossível não falar do tempo que tem estado, dias quentes ou frios interferem directamente com o nosso estado de espírito e com a nossa cozinha.
Já tivemos dias bem quentinhos, que nos levavam para as saladas e refeições leves, sobremesas frias, tardes passadas na esplanada com uma bebida fresca a aproveitar o Sol.
Agora está frio e chuva, as mantas voltam ao sofá para tapar as pernas enquanto vemos um filme, apetece outra vez comidas quentinhas e encorpadas para nos dar conforto.

É esta a sugestão que vos deixo hoje, para um fim de semana que, se for igual à semana que tem estado, avizinha-se no conforto da nossa casa, com o forno ligado e a cozinha inundada de bons aromas.
Um empadão aconchegante que reúne três dos meus ingredientes favoritos de sempre: lentilhas, cogumelos e batata doce.

É uma receita que faço várias vezes e já experimentei com variados purés: puré só de batata, puré de batata e couve-flor, puré da batata doce "típica" (a de casca arroxeada) e a de puré de batata doce laranja assada, que aqui mostro, inspirada num vídeo que vi no facebook do Jamie Oliver e que é, de todas, a minha favorita!

Com a textura certa, sem precisar de adicionar manteiga ou leites vegetais, o doce quase caramelizado deste puré de batata contrasta com os sabores mais "térreos" dos cogumelos, com as lentilhas e o alecrim. 
É o melhor empadão que já comi e se têm dúvidas convido-vos a experimentar...e deliciarem-se! :)


Ingredientes (para 3-4 pessoas) 
1 cebola média, picada
2 dentes de alho, picados
1 folha de louro
4 cubos de caldo de legumes caseiro ou 1 colher de sobremesa de azeite
1 tomate grande maduro, aos pedaços
30 ml vinho branco
1 cenoura média, em cubinhos
1/2 chávena água ou caldo
200 g cogumelos frescos, aos pedaços (usei dos marron)
1 raminho de alecrim fresco, usar apenas as folhas
Espinafres, 1 chávena dos congelados ou duas mãos cheias dos frescos.
2 chávenas lentilhas verdes, já cozidas
3 batatas doces laranja, grandes
Sal, pimenta e salsa picada q.b.


Como preparar:
Colocar as batatas lavadas, inteiras, no forno a 200 ºC e deixar assar durante cerca de 40 minutos. O tempo vai depender do tamanho da batata por isso vão verificando com um garfo se já está assada e rodem a batata a meio do tempo para que receba calor uniformemente.
Depois de assadas, reservar.


Num tacho colocar a cebola, o alho, o louro e os cubos de caldo de legumes (ou o azeite) e, em lume baixo, deixar amolecer.
Quando estiverem translúcidos e a amolecidos juntar o tomate e deixar refogar 1-2 minutos.
Adicionar o vinho branco e envolver.
Juntar a cenoura, os cogumelos, o caldo de legumes e o alecrim, temperar com sal, deixar levantar fervura e cozer alguns minutos.
Quando a cenoura estiver quase cozinhada adicionar os espinafres e as lentilhas, envolver e cozinhar mais 5 minutos e apagar o lume.
Rectificar os temperos, com sal e pimenta e colocar numa travessa.


Abrir as batatas ao meio e com a ajuda de uma colher retirar o seu recheio para uma taça. (não é preciso esmagar pois elas já ficam moles o suficiente, basta envolver)
Colocar o puré sobre o preparado de lentilhas e salpicar com salsa picada a gosto.